segunda-feira, 31 de outubro de 2011

DEPUTADO DIZ QUE HÁ MILICIANOS EM VÁRIAS SECRETARIAS.



                 Freixo, que sairá do Brasil, vai entregar às autoridades relatório com ameaças .


O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que deixará o país nesta terça-feira por causa das ameaças que vem sofrendo, garantiu, em entrevista ao programa Balanço Geral, da Rede Record, nesta segunda-feira (31), que "existem milicianos em várias secretarias do poder público".

O parlamentar destacou que o combate ao poder econômico das milícias deve envolver não apenas a esfera policial, mas também os governos municipal, estadual e federal. O deputado, no entanto, não explicou a que área se referia ao acusar a presença de criminosos em cargos públicos.

Marcelo Freixo irá entregar às autoridades um relatório com ameaças de morte recebidas em outubro . Freixo, que só voltará ao país se forem feitas melhorias em sua segurança, disse que irá entregar às autoridades um relatório com as sete ameaças de morte recebidas por ele no mês de outubro. O parlamentar reclama que a Secretaria de Segurança trata as denúncias como um problema particular.

O relatório será entregue nesta segunda ao governador Sérgio Cabral, ao secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, ao presidente do TJ, desembargador Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, e ao Ministério Público do Rio (MP-RJ)

Ele ressaltou também que existe um projeto de lei de 2008 para tipificar o crime de milícia que ainda não foi votado pelo Congresso Nacional. Freixo citou ainda que a fiscalização da distribuição de gás no Estado do Rio pela ANP (Agência Nacional de Petróleo) conta com apenas cinco fiscais.

- São diversas as responsabilidades para tirar a fonte de financiamento desses grupos criminosos.

O deputado afirmou que recebeu sete ameaças de morte no último mês. Ele explicou que desde o assassinato da juíza Patrícia Acioli, em agosto, a quantidade e seriedade das ameaças aumentou.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado ainda não se manifestou sobre o assunto. ( JB , 31/10).





ENEM , A VERGONHA DO ENSINO PÚBLICO.


O Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, de 2011, traz a público, mais uma vez, uma série de contradições, a começar pelo resultado, que privilegia as escolas particulares e coloca em situação constrangedora as escolas públicas brasileiras. E uma comparação, inevitável, entre as duas realidades logo se impõe.

É exatamente nesse momento que se deve tomar o máximo cuidado para não se incorrer em erros de avaliação, pois não há como comparar grandes escolas privadas com as redes públicas de Educação.

É comum a população, e mesmo a imprensa, referirem-se ao conjunto das escolas particulares como rede privada de ensino. Ora, não existe “rede” particular. As escolas particulares são unitárias, autônomas, existem por empreendimento pessoal ou de grupos, ou pertencem a instituições religiosas. E são, antes de tudo, negócio, investimento, sem nenhum aspecto pejorativo aqui. Em raras exceções, uma instituição particular de ensino mantém uma ou duas unidades em bairros diferentes de onde se localiza a sede. Nada que se compare a uma rede pública de Educação, como a municipal do Rio, com 1.065 unidades escolares, ou a rede estadual, com 1.457 escolas.

É necessário, também, esclarecer que as escolas particulares não constituem um ente único, uniforme. Não são sequer similares. Nesse imenso conjunto, há de tudo também. Das grandes escolas de excelente desempenho, que talvez não cheguem a 10%, passando por boas escolas, medianas escolas, até escolas sofríveis, de péssimo desempenho, como o das piores escolas públicas. Sem falar nas escolas do tipo “pagou passou”, que mais se assemelham a caça-níqueis do que a instituições de ensino.

Na grande maioria das escolas particulares, os professores recebem o piso salarial, que significa: para as professoras da educação infantil ao 5º ano do ensino fundamental, R$ 979,77; para os professores do 6º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio, o valor pago é de R$ 12,48, por hora aula, e se a carga horária cumprida é de 25 aulas semanais, o total é de R$ 1.404,00, e, se o regime for de 40 horas, chegará a R$ 2.246,40. Isto é o que ganha a maioria esmagadora dos professores das escolas particulares, pois a maior parte das escolas privadas paga, somente, o piso salarial. Há, portanto, uma diferença brutal entre os salários das grandes escolas e os praticados pelas demais, a grande maioria.

Esta é a verdade da “rede” particular de ensino, que se apropria do excelente conceito alcançado pelo desempenho das poucas grandes escolas, estendendo-o para todo o conjunto, ao contrário do que, perversamente, ocorre com as escolas públicas, que, a despeito do bom desempenho que possam vir a alcançar, e não são poucas, carregam um estigma por serem públicas.

As escolas particulares são altamente seletivas, excludentes por princípio, e realizam exames rigorosos de seleção para o ingresso de novos alunos. Em matéria assinada por Luís Bulcão, publicada em 13/9 pelo portal Terra, a supervisora pedagógica do Colégio São Bento, Profª Maria Elisa Penna Firme Pedrosa, afirma: “O São Bento só aceita alunos até o início do ensino médio. Para entrar, os candidatos passam por provas de matemática, português, história, geografia e ciências. E a maioria não é selecionada.” Verdade. A maioria é eliminada nesses processos de seleção. Muitas escolas particulares também não aceitam alunos portadores de deficiência e o São Bento não aceita meninas. Mais excludente, impossível.

As redes públicas, no entanto, são inclusivas e não fecham suas portas a quem quer que seja, independentemente dos problemas sociais, físicos, psicológicos, familiares que o aluno possa trazer com ele.

As escolas particulares de bom nível, exigem, cada vez mais, a qualificação de seus professores. No São Bento, prossegue a Profª Maria Elisa, "quase todos os professores têm mestrado e doutorado". E, certamente, são incentivados para isso.

Nas redes públicas, embora o Estatuto do Servidor assegure ao professor o direito à licença com vencimentos para estudar, governadores e prefeitos rotineiramente indeferem a maioria das solicitações de seus professores, só lhes dando a alternativa da licença sem vencimentos. Mas, sem salário, como poderá o professor se manter apenas estudando? E, ainda assim, o professor interessado em se qualificar, mesmo sem salário, dependerá de concordância da chefia imediata e de autorização do chefe do poder executivo, que poderão alegar falta de professor para negar-lhe esse direito. A despeito dessas dificuldades, na rede municipal do Rio, de 15 a 20 % de seus professores detêm esses títulos.

Nas escolas particulares de muito bom nível, os salários ultrapassam R$ 3.000,00, pois as mensalidades pagas pelos pais são muito altas. No caso do São Bento, segundo sua supervisora pedagógica, os salários dos professores da 1ª à 5ª série do ensino fundamental estão na faixa de R$ 4.000,00, com carga horária de 25 horas semanais. Afinal, magistério não é sacerdócio. E as grandes escolas particulares, que querem se manter competitivas no mercado, sabem bem disso.

Nas redes públicas de todo o país, os salários são simplesmente aviltantes. No caso da rede estadual do Rio de Janeiro, o professor em final de carreira, com mestrado ou doutorado, é de R$ 1.511,00. Apenas nos governos de Leonel Brizola, houve um empenho na implantação do Plano de Carreira, que partia de três salários mínimos e meio (R$ 1.907,50 em valores atuais), dividido em nove níveis, com 12% de acréscimo entre os níveis, o que significaria, hoje, um salário de R$ 4.722,90, no nível 9. O salário inicial de um professor com curso superior (nível 3) seria de R$ 2.392,77 em valores de hoje. Some-se a isso o valor dos triênios, 5% a cada três anos, com o máximo de 60%. Portanto, início e final de carreira dignos, similar ao que ocorre nas grandes escolas particulares.

Mas os governantes são insensíveis à realidade enfrentada por seus professores, a ponto de deixarem as greves por melhores salários se estenderem por meses, se exaurirem por si mesmas, como as do Rio, Ceará e Minas Gerais, que ultrapassa 100 dias, sem que os governadores demonstrem qualquer constrangimento por isso.

A indiferença é geral, quase um desprezo, e independe do partido que esteja no governo ou se o governante é mais ou menos progressista. Sergio Cabral, no Rio, Antônio Anastasia, em Minas Gerais, e Cid Gomes, no Ceará Beto Richa no Paraná, são alguns dos exemplos mais recentes do descaso com a situação da educação pública em seus estados. Como se não bastasse, essas autoridades sentem-se muito à vontade para ofender professores e colocar suas polícias militares em seu encalço, com balas de borracha e gás de pimenta. Sem falar em José Serra que, por diversas vezes, fez correr o sangue dos professores estaduais pelas ruas de São Paulo.

Nas escolas particulares, em geral, aluno e família assumem um código de princípios e de conduta, com punições que podem chegar a suspensão e exclusão dos quadros da escola, como parâmetro para coibir qualquer problema de indisciplina, sem intervenção externa. Diz, ainda, a supervisora do Colégio São Bento: “A disciplina no colégio envolve assiduidade, pontualidade e respeito aos professores e colegas. O aluno que se atrasar mais de três vezes é suspenso. Agressão física ou verbal a professores, colegas e funcionários não são toleradas.”

Nas redes públicas, a sensação generalizada é de que o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Conselho Tutelar não vieram para ajudar diretores e professores na luta por uma escola melhor, em um contexto de violência cada vez maior. Os alunos não podem ser impedidos de entrar, independentemente da hora em que chegam à escola, ou se estão sem uniforme ou material escolar, mesmo tendo recebido tudo novo no início do ano. Não podem ser suspensos nem retirados de sala de aula. Professores e gestores públicos, que vêm sendo progressivamente vítimas de desrespeito, agressões e ameaças de morte, até, percebem-se desautorizados por esses institutos jurídicos, pois uma palavra mais dura de um professor para seu aluno, é interpretada como desrespeito e pode vir a significar sérios problemas para esse profissional. A percepção de desamparo, vivenciada pelos professores das redes públicas em seu cotidiano escolar, tem gerado um grande número de afastamentos por problemas de saúde, por abandono e por exoneração do serviço público.

Nas escolas particulares, há a figura do porteiro, do inspetor, do coordenador de turno e de uma equipe de apoio pedagógico.

Nas redes públicas, esses profissionais foram extintos e, na falta de professores, os próprios diretores são obrigados a interromper sua função e assumir a regência dessas turmas.

Nas escolas particulares preocupadas com sua posição no mercado, quando o aluno apresenta problemas de relacionamento, comportamento, aprendizagem, os pais são chamados e instados a agir, antes que o quadro se agrave. E, caso não se verifique melhora substancial, o aluno é “convidado” a se retirar da escola. Ou seja, não se perde tempo com quem não quer avançar.

Nas redes públicas, as famílias não se sentem responsáveis, literalmente lavam as mãos, repassando todo o ônus da educação de seus filhos para as escolas e seus professores, e, frequentemente, não os veem como parceiros, mas como antagonistas de seus filhos.

Nas boas escolas particulares, quando a família de um aluno está em crise, dificilmente os problemas chegam à sala de aula, pois os pais providenciam acompanhamento psicológico para o filho, a fim de reduzir danos, além de, muitas vezes, a escola também disponibilizar um atendimento especial a esse aluno.

Nas redes públicas, quando conflitos familiares ocorrem, dificilmente as famílias, que na maioria das vezes significa mãe e irmãos de pais diferentes, ou mãe no trabalho e um adolescente responsável por irmãos menores, ou mães muito jovens e avós de 35 anos, encontram respaldo profissional nas escolas. No máximo, são encaminhadas a atendimento no posto de saúde, sem continuidade ou conexão com a realidade escolar.

Nas escolas particulares de melhor classificação, os pais, em sua quase totalidade, concluíram o curso universitário e demonstram real interesse pelo desempenho escolar de seus filhos, proporcionando-lhes, além de uma excelente escola, viagens ao exterior, computadores de última geração, uma boa biblioteca para o desenvolvimento do hábito da leitura, cursos de outros idiomas, atividades de esportes e artes, ambientes sociais e culturais que lhes acrescentam experiências importantes para o futuro.

Nas redes públicas, os responsáveis cumpriram, em sua grande maioria, menos do que o mínimo de 11 anos de escolaridade, seus filhos quase sempre não dispõem de um local adequado para estudar e têm que dividir o pouco que possuem com os irmãos. Nas áreas conflagradas, as crianças e jovens têm que conviver com o assédio do tráfico, com a truculência policial e com ameaças e tiroteios que as levam, muitas vezes ainda bem pequenas, a desenvolverem síndrome do pânico.

Nas grandes escolas particulares, as famílias pagam mensalidades altas e compram todo o material escolar, inclusive uniforme, além de alimentação, em caso de horário integral. Cada atividade fora da grade curricular, como outra língua estrangeira, balé, informática, aulas passeio, com visitas a parques e museus, têm um custo adicional.

Nas redes públicas, tudo é oferecido pelo governo e nada pode ser cobrado. Hoje sequer são permitidas a existência da “caixa escolar”, ou a arrecadação de recursos extras por meio de rifa ou venda de doces e salgadinhos levados por mães e professores para as comemorações do calendário escolar.

Nas escolas particulares, as turmas têm em torno de 30 alunos, as salas são amplas, bonitas e confortáveis e dispõem, a maioria, de recursos tecnológicos e de refrigeração.

Nas escolas públicas, as salas são superlotadas, muitas vezes ultrapassando 50 alunos, sem qualquer conforto, mal cuidadas e extremamente quentes. Só muito recentemente é que alguns governos estaduais e prefeituras iniciaram os processos - lentos - de fornecimento de computadores individuais para alunos e professores, além de instalação de aparelhos de ar refrigerado nas escolas. Contudo, por incrível que pareça, sem a aprovação unânime da sociedade para esses gastos, considerados por muita gente “supérfluos”.

Nas escolas particulares de alto nível, alunos em recuperação e índices de reprovação são ínfimos, pois muitas funcionam em horário integral ou oferecem monitoria, adotando, na prática, a avaliação continuada. Como para essas escolas, reprovação é sinônimo de fracasso da família, da instituição e, principalmente, do aluno, as famílias providenciam professores particulares para seus filhos, aos primeiros sinais de dificuldade em qualquer disciplina, porque o investimento que fazem com a educação de seus filhos é muito alto. No caso do São Bento, a mensalidade escolar é de R$ 2.000,00, maior do que a de um curso de MBA da Fundação Getúlio Vargas.

Nas redes públicas, o horário integral ainda é raro, embora todos afirmem e reafirmem ser fundamental. E, incrivelmente, reprovação virou sinônimo de rigor pedagógico, mas sem que quase nada seja oferecido ao aluno para socorrê-lo em suas dificuldades. E, a partir de certo momento, um fato terrível ocorreu no Rio de Janeiro: os vereadores, em luta político-eleitoral contra o então prefeito Cesar Maia, e movidos pela falta de respostas para os questionamentos da sociedade com relação ao baixo desempenho das escolas municipais, com o apoio da imprensa e até de professores, receosos de perderem o último trunfo em sua relação extremamente desgastante com alunos sem limites, aliaram-se todos nas ações de convencimento da população de que a avaliação continuada, que mal começara a ser aplicada, deveria ser extinta e que a escola pública teria que reprovar.

O que se viu a seguir foi estarrecedor. Em 2008, no auge da campanha eleitoral para prefeito do Rio, todos os candidatos assumiram o compromisso de que, em sua gestão, caso fossem eleitos, não haveria mais aprovação automática, como pejorativamente passaram a se referir, sem nenhum conhecimento técnico, à avaliação continuada, e que a reprovação estava garantida. Na hora da prestação de contas sobre o fracasso escolar da rede sob sua responsabilidade, os políticos decidiram, pasmem, penalizar a vítima (?!!!). Até o outrora progressista Fernando Gabeira comprou e vendeu essa crueldade contra as crianças das escolas públicas. E, pior, as mães, oriundas de gerações de excluídos, não conseguiram perceber a perversidade contida nessa pregação e passaram também a acreditar que a reprovação é necessária, em vez de exigirem do prefeito eleito Eduardo Paes, como direito de cidadania, um melhor atendimento a seus filhos, com as correções devidas no processo de aplicação da avaliação continuada. Pobres crianças.

As escolas particulares se mantiveram como instituições de Ensino.

As redes públicas tornaram-se redes de Educação, um conceito muito mais amplo e complexo do que ensino, mas que em proporções gigantescas, sem os devidos recursos financeiros, materiais e humanos, e com os graves problemas sociais nos quais os alunos estão inseridos, é quase impossível, sem um esforço sobre-humano de governos e sociedade, chegar a bom termo.

A sociedade hoje, em coro, afirma que horário integral é a solução. Mas há 27 anos, por motivação política intestina, segmentos dessa mesma sociedade foram coniventes com o massacre do último grande projeto de educação pública deste país, o Programa Especial de Educação e seus 500 Centros Integrados de Educação Pública, os Cieps, idealizados pelo Prof. Darcy Ribeiro e construídos nos dois governos de Leonel Brizola, que, às duras críticas, principalmente as referentes aos custos do programa, respondia com serenidade: “prefiro pagar mais por um aluno na escola do que por um preso na penitenciária”. Na época, o Estado gastava, mensalmente, bem mais com um prisioneiro do que com uma criança na escola pública. E os resultados estão aí.

É fundamental que todos os três níveis de governo façam um verdadeiro esforço de guerra para tirar a educação pública dos índices lamentáveis em que se encontra em nosso país. Mas a responsabilidade maior está nas mãos dos prefeitos, pois a eles cabem a educação infantil (de zero a seis anos) e o ensino fundamental (do 1º ao 9º ano). Ou seja: a base de toda a vida escolar de seus futuros cidadãos.

A sociedade precisa sair de sua apatia e exigir a aplicação correta desses recursos, além do agravamento das penas para os crimes de desvio de verbas destinadas à Educação. Não é mais possível assistirmos matérias em telejornais e programas semanais mostrando escolas sem telhado e crianças caminhando por quilômetros, desde a madrugada, para chegar a um arremedo de sala de aula, nos rincões mais distantes do Brasil. Não há nada que justifique aberrações como essas. Os prefeitos desses municípios deveriam ser presos porque verbas há para atender essa demanda.

Prefeituras e governos estaduais precisam ser obrigados a aplicar o percentual - mínimo - de 25% do orçamento em Educação. O governo federal têm feito grandes repasses a estados e municípios com essa finalidade, além dos recursos do Fundo Nacional do Desenvolvimento do Ensino Básico – Fundeb.

Municípios geridos de maneira séria, principalmente no interior do país, têm aplicado mais do que o percentual obrigatório, estabelecendo com isso, 14 e até 15 salários a seus professores, em valores dignos. Se a população estiver atenta, e não houver desvio de recursos, os resultados positivos logo começarão a aparecer. Não há mistério.

Em matéria do portal R7, assinada por Sérgio Vieira e publicada em 12/9, um ex-aluno do Colégio São Bento cita Dom Tadeu, antigo reitor falecido em 2010, para justificar o sucesso alcançado nacionalmente pela tradicional escola: “O segredo da gente é continuar fazendo o que os outros colégios não fazem: ensinar”.

Das experiências do ex-governador Leonel Brizola, desde as 137 escolas construídas por ele em Porto Alegre, na década de 1950, quando prefeito da capital gaúcha, passando pelas 6.302 escolinhas de madeira, as brizoletas, construídas no interior do Rio Grande do Sul, entre 1959 e 1963, quando governador do Estado, aos 500 Cieps do Programa Especial de Educação, dos anos 1980, no Rio de Janeiro - em sua obsessão da vida inteira por educação pública de qualidade - à convicção de Dom Tadeu para as razões do sucesso consolidado do Colégio São Bento, fica a certeza de tudo o que é imprescindível para que uma instituição escolar, pública ou privada, seja muito bem-sucedida. Afinal, milagre não existe.

José Carlos Sucupira









Os escândalos ligados à OLIGARQUIA " SARNEY".

O Brasil atual, mais do que nos tempos das Capitanias Hereditárias, está constituído de feudos. Só que agora são multidimensionais, pois, mais do que estarem disseminados ao longo do espaço geográfico, se superpõem e se interligam em camadas de famílias, partidos, ONGs, fornecedores, lobistas, operadores de fraudes, publicitários, ante-salas de tribunais e de Assembléias.


Esta oligarquia Sarney, do exemplo em questão, é um dos paradigmas, arquétipos, do que se passa por todo o País. E qual bando mafioso, comanda políticos e polícia no “seu pedaço”.

Vergonha ! Até quando ?

ACORDA BRASIL !

ISTO É - Impedida de chegar às bancas do Maranhão

Repassem! Se a revista não chega às bancas, a reportagem chega pela internet.

Todos os brasileiros precisam saber de mais essa da escrescência da oligarquia Sarney. Por favor, aqueles que tem contatos no Nordeste e, especialmente no Maranhão, repassem!

Repassando...
Oligarquia Sarney impede que a revista ISTO É chegue ao Maranhão. Para quem ainda não viu, abaixo, segue a reportagem da revista.

Fraudes em licitações colocam sob suspeita programa de construção de unidades de saúde da governadora do Maranhão, em um negócio de quase meio bilhão de reais.

ESCÂNDALO: Relatório da Procuradoria de Contas aponta irregularidades na licitação e pede a devolução de repasses feitos a empreiteiras

Quem percorre o interior do Maranhão se surpreende com a quantidade de esqueletos de grandes obras abandonadas e expostas ao tempo. Várias delas estão em municípios humildes como Marajá do Sena, Matinha e São João do Paraíso. São hospitais públicos inacabados do programa Saúde é Vida, principal bandeira da campanha de reeleição de Roseana Sarney (PMDB). Com apenas 12% do cronograma cumprido desde que foi lançado há dois anos, o projeto já tem um custo superior a R$ 418 milhões e corre o risco de virar mais um imenso monumento à corrupção. Relatório da Procuradoria de Contas maranhense, obtido com exclusividade por ISTOÉ, acusa o governo de fraudar o processo licitatório, pede a devolução de parte dos repasses e a aplicação de multa ao secretário de Saúde, Ricardo Murad, cunhado da governadora. A investigação dos procuradores Jairo Cavalcanti Vieira e Paulo Henrique Araújo, a partir de representação do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Maranhão, revela um cipoal de irregularidades e mostra como o governo beneficiou empreiteiras que depois abasteceram o caixa de campanha do PMDB com mais de R$ 2 milhões.

DENÚNCIA: documento cita empresas envolvidas

Os problemas começaram no segundo semestre de 2009, quando o governo de Roseana resolveu lançar o Saúde é Vida. Mesmo sem previsão orçamentária, a governadora conseguiu incluir o programa no Plano Plurianual e entregou sua execução ao cunhado. Murad, alegando urgência, contratou sem licitação a empresa Proenge Engenharia Ltda. para a elaboração dos projetos básico e executivo. Os procuradores descobriram que, na verdade, o projeto básico já tinha sido elaborado por técnicos da própria Secretaria de Saúde. A mesma Proenge venceu, logo depois, um dos lotes da concorrência 301/2009 para a construção de 64 hospitais de 20 leitos. O edital da obra indicava que as empreiteiras vencedoras deveriam elaborar o projeto executivo dos hospitais. Ou seja, a empreiteira acabou recebendo duas vezes para prestar o mesmo serviço. No total, a Proenge recebeu R$ 14,5 milhões. Para os procuradores do TCE maranhense, que questionam o caráter emergencial da contratação, “os valores pagos à empresa Proenge constituem lesão ao erário e devem ser objeto de ressarcimento”. Eles calcularam em R$ 3,6 milhões o total que deve ser devolvido.

As ilegalidades não param aí. A construção dos hospitais de 20 leitos foi dividida em seis lotes, mas três deles simplesmente não entraram na licitação. Foram entregues a três empreiteiras diferentes: Lastro Engenharia, Dimensão Engenharia e JNS Canaã, que receberam quase R$ 64 milhões em repasses e nem sequer construíram um hospital. A JNS Canaã é um caso ainda mais nebuloso. Os procuradores afirmam que a empreiteira, filial do grupo JNS, teve seu ato constitutivo arquivado na Junta Comercial do Maranhão em 24 de novembro de 2009, dias antes de fechar contrato com o governo. A primeira ordem bancária em nome da JNS saiu apenas quatro meses depois, em 16 de abril de 2010. Sozinha, a empresa recebeu R$ 9 milhões, não concluiu nenhum dos 11 hospitais e teve seu contrato rescindido por Murad. Antes, porém, a mesma JNS doou R$ 700 mil para a campanha de Roseana, por meio de duas transferências bancárias, uma de R$ 450 mil para a direção estadual do PMDB e outra de R$ 300 mil para o Comitê Financeiro, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral.

FAVORECIMENTO: Roseana e Ricardo Murad (à esq.), em inauguração de hospital: eles beneficiaram empreiteiras.

A Dimensão Engenharia e Construção Ltda., outra das contratadas sem licitação, foi ainda mais generosa ao injetar R$ 900 mil no caixa do partido durante a eleição. A Lastro Engenharia, por sua vez, repassou aos cofres peemedebistas mais R$ 300 mil. A empresa conseguiu dois contratos com dispensa de licitação: a reforma do Hospital Pam-Diamante, em São Luís, e a construção de hospitais de 20 leitos. Além disso, foi uma das vencedoras da disputa (licitação número 302/2009) para erguer unidades de saúde com 50 leitos. Esses contratos foram aditivados em 25% (o limite legal previsto pela legislação). Ao todo, a empreiteira faturou R$ 58 milhões. O uso do limite para elevar o valor dos contratos foi utilizado também por outra construtora, a Ires Engenharia, o que alertou os procuradores do TCE. “Chama a atenção o fato de o valor acrescido aos contratos coincidir até nos centavos com o valor limítrofe previsto em lei. A impressão que se tem é que ou o valor originariamente contratado foi equivocado ou os aditivos foram firmados sem critério estritamente técnico”, escreveram no relatório.

Para o deputado Domingos Dutra (PT), os problemas no programa Saúde é Vida vão além do anotado pelos procuradores. Um levantamento das ordens bancárias de 2010 mostra uma série de repasses redondos que, segundo Dutra, “indicariam a prática de caixa 2 para abastecer a campanha de Roseana.” A Dimensão Engenharia, por exemplo, recebeu R$ 1 milhão em 19 de julho. Três dias antes, a empreiteira Console apresentou fatura de R$ 2 milhões. No mesmo dia, o governo pagou mais R$ 1 milhão à Geotec e R$ 1,5 milhão à Guterres, que no dia 22 recebeu mais R$ 500 mil. A JNS teve três repasses redondos: R$ 300 mil e R$ 50 mil em 16 de abril e R$ 1,5 milhão em 16 de julho. A Lastro teve um repasse de R$ 1,5 milhão; a Proenge, dois repasses de R$ 600 mil e R$ 300 mil; e a Ires Engenharia, um pagamento de R$ 1 milhão. “Nenhuma empresa emite nota fiscal pela prestação de serviços com números redondos”, afirma Dutra. “Geralmente são valores fracionados, até em centavos, como vemos nas dezenas de outras ordens de pagamento.” O parlamentar encaminhou petição ao Ministério Público Federal e à Controladoria-Geral da União.

Além dos indícios de corrupção e do uso das obras para angariar dividendos políticos, o deputado federal Ribamar Alves (PSB) ataca a concepção do Saúde é Vida, que, segundo ele, contraria determinações do próprio Ministério da Saúde sobre a construção de hospitais em cidades com menos de 30 mil habitantes. “Essas prefeituras não têm dinheiro para a manutenção desses hospitais nem médicos suficientes ou demanda”, afirma. Ele estima em R$ 500 mil o custo mensal para a manutenção dessas unidades, valor acima da soma dos repasses do Fundeb, do SUS e do Fundo de Participação dos Municípios. “Sem gente nem dinheiro, esses hospitais vão se transformar em imensos elefantes brancos”, diz Alves. O parlamentar lembra que a Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara aprovou requerimento do deputado Osmar Terra (PMDB/RS) para convidar Murad a prestar esclarecimentos sobre o programa e outros problemas na área da saúde. “Ele tem muito o que explicar”, afirma. Procurado por ISTOÉ, o secretário de Saúde do Maranhão não se manifestou até o fechamento da edição.

P.S.: Aqui na Internet - eles ainda não mandam (ou mandam?), portanto, repassem, para que o povo maranhense conheça um pouco mais da sua “grande”governadora. Fonte : Isto é.

Câncer de laringe .


O consumo de cigarro e álcool está entre principais causas do câncer de laringe . O estresse , por reduzir a defesa imunológica é outro fator importante.


O hábito de fumar, associado ao de consumir bebidas alcoólicas, é apontado como uma das principais causas do câncer de laringe. Na maior parte dos casos, a doença é tratável e as chances de cura estão acima de 50%.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, Enaldo Melo de Lima, em fase inicial, as chances de cura do câncer de laringe atingem 70% e o tratamento é feito com a quimioterapia e radioterapia. Já em casos avançados, nos quais as chances de cura chegam a 50%, pode ser necessária uma cirurgia para a retirada da laringe, que significará a perda da voz.

"O problema do câncer de laringe é que alguns pacientes não têm reposta ao tratamento conservador, da quimioterapia ou da radioterapia. Nestes casos, é preciso fazer a cirurgia de retirada de laringe, de mutilação do órgão, quando há perda da voz", explicou Enaldo Melo.

O médico alerta que o câncer de laringe afeta mais os homens e é o mais comum entre os tipos de tumores que atingem a região da cabeça e do pescoço. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), representa 25% dos tumores malignos nessa região e 2% de todos os cânceres.

O tumor na laringe pode afetar a fala e a deglutição. Os primeiros sintomas são dores localizadas, sensação de caroço na região ou rouquidão.

Para se prevenir, o médico sugere que maus hábitos sejam abandonados. "A causa principal é o tabagismo, o álcool funciona como fator aditivo. São maus hábitos que desenvolvem não só câncer [na região da] cabeça e pescoço, como [também] câncer de pulmão, de esôfago e de intestino", exemplificou.

Segundo o site do Inca, os fumantes têm dez vezes mais chances de desenvolver a doença. Em pacientes que aliam o cigarro à bebida alcoólica, as chances aumentam 43 vezes.

domingo, 30 de outubro de 2011

REFRIGERANTES QUE CAUSAM CÂNCER.


                      Fabricantes terão que reduzir substância cancerígena em refrigerantes


Um acordo entre o Ministério Público Federal em Minas Gerais e fabricantes de refrigerantes determina que as bebidas de baixas calorias ou dietéticos cítricos terão redução de benzeno no prazo de cinco anos. O TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) assinado com a Ambev, Coca-Cola e Schincariol prevê que a quantidade máxima deverá ficar em 5 microgramas por litro.

A Procuradoria recomenda que Anvisa regulamente benzeno em refrigerantes e o Governo passará a analisar substância cancerígena em refrigerantes . Sete refrigerantes têm substância cancerígena, revela pesquisa .

A presença do benzeno nos refrigerantes foi detectada em 2009 pela ProTeste, entidade de defesa do consumidor, ao realizar testes em 24 amostras de diferentes marcas. E o TAC foi assinado dois anos após o Ministério Público instaurar inquérito civil público para apurar o caso.

Ao analisar 24 amostras de diferentes marcas, a ProTeste detectou a presença do benzeno em sete delas: Fanta Laranja, Fanta Laranja Light, Sukita, Sukita Zero, Sprite Zero, Dolly Guaraná e Dolly Guaraná diet. Em duas das amostras --Fanta Laranja Light e Sukita Zero-- a concentração estava acima dos limites considerados aceitáveis para a saúde humana.

De acordo com o Ministério Público, a legislação brasileira, em especial o Código de Defesa do Consumidor, estabelece que os produtos colocados à venda no mercado não podem trazer riscos à saúde ou à segurança dos consumidores. Os fornecedores, em qualquer hipótese, devem fornecer as informações necessárias e adequadas a respeito.

Como as bebidas testadas traziam ácido benzoico, era possível que algumas também tivessem benzeno, uma substância cancerígena que resulta da combinação dos ácidos benzoico e ascórbico, mais conhecido como vitamina C. Estas duas substâncias juntas, sob certas condições de exposição à luz e ao calor, podem reagir e formar o benzeno.

As análises apontaram benzeno em sete bebidas. Em duas, Fanta Laranja Light e Sukita Zero, o limite estava acima do recomendado para um consumo saudável. Na Sukita Zero foi detectado limite quatro vezes superior ao aceitável. Como não existe um limite fixado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para refrigerantes, a ProTeste utilizou o parâmetro de água potável, que é de 5 microgramas por litro.

O limite permitido pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para a água potável, é de 10 ppb (partes por bilhão). Nos Estados Unidos esse limite é de 5 ppb, e na União Europeia é de 1 ppb.

No Brasil, a portaria da Anvisa nº 518/04, que estabelece o padrão de potabilidade da água, determina o limite máximo permitido para benzeno de 5 microgramas por litro.

Como a OMS e as autoridades sanitárias estrangeiras e nacionais não estabeleceram um limite de benzeno para refrigerantes e sucos, considera-se que, no mínimo, deve ser adotado o mesmo limite utilizado para a água potável. As marcas reprovadas estavam acima desse limite.

Foram encontrados limites aceitáveis de benzeno no guaraná tradicional e light Dolly, na Fanta Laranja tradicional, Sukita tradicional e na Sprite Zero.

O Ministério Público também expediu recomendação para que a Agência Nacional realizasse os estudos necessários para determinar a concentração máxima, tolerável, da substância nos refrigerantes comercializados no país.

Os fabricantes informaram que a formação do benzeno decorre de um processo químico geralmente desencadeado nos refrigerantes light e diet, já que a presença do açúcar inibe a formação da substância.

Disseram ainda que "a eventual identificação de traços mínimos de benzeno em determinado produto pode se dar por razões diversas e alheias aos esforços da empresa, como, por exemplo, em decorrência da quantidade de benzeno pré-existente na água".

sábado, 29 de outubro de 2011

Os crimes mais cruéis estão sendo cometidos por autoridades do Poder Público ?



Os crimes mais cruéis estão sendo cometidos por autoridades do Poder Público que deveriam nos defender e pelas crianças que ainda não têm razão , pelo menos na nossa visão , para cometê-los. O que fazer ? Para onde vamos ? Onde estão as instituições como Igreja , Família , Escola e Mídia Tradicional ( e Internet ) ?

Há poucos meses , uma criança de 10 anos de idade levou uma arma para a sala de aula , atirou na sua professora pelas costas e , ato contínuo ,  atirou em sua própria cabeça , suicidando-se. A prática de suicídio ocorre em situações de "stress" extremo , de frustrações , de desencato e de fracassos que provocam uma renúncia à própria VIDA. E que desalentos esse menino teria com tão pouco tempo de existência ?

Também há poucos meses , uma Juíza foi cercada após sair de seu trabalho e levou 21 tiros. Foi um duro golpe em uma mulher que dedicou a sua Vida à causa da Justiça Brasileira e um golpe na própria Democracia . O que levaria esses atiradores a tão covarde ação ? Interesses econômicos ? Poder político
Há poucas semanas , em depoimento , um policial que participou do massacre à Juiza contou que ela foi morta porque atrapalhava um esquema de propina , que envolveria um tenente-coronel da Polícia Militar. Ele seria o autor intelectual do assassinato da Magistrada. Era o Camandante do Batalhão da PM na área em que a Juiza atuava. Após o crime ( o Comando da PM não sabe explicar a razão ) ele foi transferido para comandar o batalhão de outra área complicada , como o Batalhão da Maré. Por quê ? Não é muito estranho ?

Seria uma forma de protegê-lo ? A quem interessaria a sua proteção ? Esse suposto mandante é ex-"caveira" , forma como são conhecidos os integrantes do Batalhão de Operações especiais ( BOPE ) . Ele trabalhou na tropa de elite da PM no setor de inteligência , conhecido como serviço reservado.

Quando ocorreu a Chacina de Vigário Geral , em 29 de agosto de 1993 , na qual 21 pessoas foram executadas , ele era major do NONO BPM. Na época , o crime foi atribuído a um grupo de extermínio formado por PMs daquele quartel , conhecido como "cavalos corredores".( O Globo ).

Ainda há poucos dias , a Ministra Eliana Calmon , Corregedora Nacional de Justiça , disse , em entrevista , ao criticar a resistência dos tribunais a serem fiscalizados pelo Conselho Nacional de Justiça ( CNJ ), que essa atitude é o primeiro caminho para a impunidade da Magistratura , que , hoje , está com gravíssimos problemas de infiltração de bandidos que estão escondidos atrás da " toga". Ela disse que há bandidos como Juízes ... O que é isso ? Bandidos nos julgam ? Que Democracia é essa ?

Ao tempo em que a Corregedora faz essa denúncia grave , o Senado ignora a denúncia e garante à mãe do governador de Pernambuco , deputada Ana Arraes ( PSB-PE) a vaga de MINISTRA DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO ( TCU ). Um importante jornal de São Paulo fez denúncias graves a respeito dessa senhora. Mas de nada adiantou. Ela está premiada. Só que o papel do Tribunal de Contas é de extrema importância para a Sociedade e não pode ser ocupado por pessoas suspeitas. Que Democracia é essa?

O que é pior para a Sociedade : uma criança que mata inexplicavelmente a si mesma e que atira em sua professora ; um comandante de Batahão de Polícia que deveria defender a Justiça e que supostamente manda matar uma Juíza com 21 tiros ; ou o Senado que faz vistas grossas e nomeia no TCU uma pessoa supeita de crimes em contratos em seu gabinete ? Como a Sociedade deve atuar: lutando como os índios da Bolívia ; protestando como os estudantes do Chile ; fazendo greve como a população da Grécia ; ou promovendo luta bélica como os líbios contrários ao seu ditador ? Como ?... Qual é a maneira mais  eficaz de acabar com a bandallheira que tomou conta do Brasil , principalmente sob os auspícios do grupo político que assumiu o poder a partir de 2003 e que foi liderado por um falso operário que estimulou esse  status quo ?

STF - Um poder de costas para o País.


A Justiça no Brasil vai mal, muito mal. Porém, de acordo com o relatório de atividades do Supremo Tribunal Federal de 2010, tudo vai muito bem. Nas 80 páginas — parte delas em branco — recheadas de fotografias (como uma revista de consultório médico), gráficos coloridos e frases vazias, o leitor fica com a impressão que o STF é um exemplo de eficiência, presteza e defesa da cidadania. Neste terreno de enganos, ficamos sabendo que um dos gabinetes (que tem milhares de processos parados, aguardando encaminhamento) recebeu “pela excelência dos serviços prestados” o certificado ISO 9001. E há até informações futebolísticas: o relatório informa que o ministro Marco Aurélio é flamenguista.

A leitura do documento é chocante. Descreve até uma diplomacia judiciária para justificar os passeios dos ministros à Europa e aos Estados Unidos. Ou, como prefere o relatório, as viagens possibilitaram “uma proveitosa troca de opiniões sobre o trabalho cotidiano.”

Custosas, muito custosas, estas trocas de opiniões. Pena que a diplomacia judiciária não é exercida internamente. Pena. Basta citar o assassinato da juíza Patrícia Acioli, de São Gonçalo. Nenhum ministro do STF, muito menos o seu presidente, foi ao velório ou ao enterro. Sequer foi feita uma declaração formal em nome da instituição. Nada. Silêncio absoluto. Por que? E a triste ironia: a juíza foi assassinada em 11 de agosto, data comemorativa do nascimento dos cursos jurídicos no Brasil.

Mas, se o STF se omitiu sobre o cruel assassinato da juíza, o mesmo não o fez quando o assunto foi o aumento salarial do Judiciário. Seu presidente, Cézar Peluso, ocupou seu tempo nas últimas semanas defendendo — como um líder sindical de toga — o abusivo aumento salarial para o Judiciário Federal. Considera ético e moral coagir o Executivo a aumentar as despesas em R$8,3 bilhões.

A proposta do aumento salarial é um escárnio. É um prêmio à paralisia do STF, onde processos chegam a permanecer décadas sem qualquer decisão. A lentidão decisória do Supremo não pode ser imputada à falta de funcionários. De acordo com os dados disponibilizados, o tribunal tem 1.096 cargos efetivos e mais 578 cargos comissionados.

Portanto, são 1.674 funcionários, isto somente para um tribunal com 11 juízes. Mas, também de acordo com dados fornecidos pelo próprio STF, 1.148 postos de trabalho são terceirizados, perfazendo um total de 2.822 funcionários. Assim, o tribunal tem a incrível média de 256 funcionários por ministro. Ficam no ar várias perguntas: como abrigar os quase 3 mil funcionários no prédio-sede e nos anexos? Cabe todo mundo? Ou será preciso aumentar os salários com algum adicional de insalubridade?

Causa estupor o número de seguranças entre os funcionários terceirizados. São 435! O leitor não se enganou: são 435. Nem na Casa Branca tem tanto segurança. Será que o STF está sendo ameaçado e não sabemos? Parte destes vigilantes é de seguranças pessoais de ministros. Só Cézar Peluso tem 9 homens para protegê-lo em São Paulo (fora os de Brasília). Não é uma exceção: Ricardo Lewandovski tem 8 exercendo a mesma função em São Paulo.

Mas os números continuam impressionando. Somente entre as funcionárias terceirizadas, estão registradas 239 recepcionistas. Com toda a certeza, é o tribunal que melhor recebe as pessoas em todo mundo. Será que são necessárias mais de duas centenas de recepcionistas para o STF cumprir suas tarefas rotineiras? Não é mais um abuso? Ah, abuso é que não falta naquela Corte. Só de assistência médica e odontológica o tribunal gastou em 2010, R$16 milhões. O orçamento total do STF foi de R$518 milhões, dos quais R$315 milhões somente para o pagamento de salários.

Falando em relatório, chama a atenção o número de fotografias onde está presente Cézar Peluso. No momento da leitura recordei o comentário de Nélson Rodrigues sobre Pedro Bloch. O motivo foi uma entrevista para a revista “Manchete”. O maior teatrólogo brasileiro ironizou o colega: “Ninguém ama tanto Pedro Bloch como o próprio Pedro Bloch.” Peluso é o Bloch da vez. Deve gostar muito de si mesmo. São 12 fotos, parte delas de página inteira. Os outros ministros aparecem em uma ou duas fotos. Ele, não. Reservou para si uma dúzia de fotos, a última cercado por crianças. A egolatria chega ao ponto de, ao apresentar a página do STF na intranet, também ter reproduzida uma foto sua acompanhada de uma frase (irônica?) destacando que o “a experiência do Judiciário brasileiro tem importância mundial”.

No relatório já citado, o ministro Peluso escreveu algumas linhas, logo na introdução, explicando a importância das atividades do tribunal. E concluiu, numa linguagem confusa, que “a sociedade confia na Corte Suprema de seu País. Fazer melhor, a cada dia, ainda que em pequenos mas significativos passos, é nossa responsabilidade, nosso dever e nosso empenho permanente”. Se Bussunda estivesse vivo poderia retrucar com aquele bordão inesquecível: “Fala sério, ministro!”

As mazelas do STF têm raízes na crise das instituições da jovem democracia brasileira. Se os três Poderes da República têm sérios problemas de funcionamento, é inegável que o Judiciário é o pior deles. E deveria ser o mais importante. Ninguém entende o seu funcionamento. É lento e caro. Seus membros buscam privilégios, e não a austeridade.

Confundem independência entre os poderes com autonomia para fazer o que bem entendem. Estão de costas para o país. No fundo, desprezam as insistentes cobranças por justiça. Consideram uma intromissão.

A justiça á a base da pirâmide social, se ela é falha, o que dizer do resto?

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Dose diária de aspirina previne câncer.

                          


EDITORA-ASSISTENTE DE SAÚDE

Tumores de intestino, esôfago, pâncreas, próstata, estômago e colorretal podem ser evitados com o consumo de uma dose baixa de aspirina todos os dias, segundo uma revisão de estudos publicada neste mês no jornal médico "Lancet".

O benefício trazido pelo remédio só começa a aparecer depois de cinco anos de consumo diário, de acordo com a pesquisa, que somou dados de mais de 25 mil pacientes.

Essas pessoas estavam tomando aspirina para evitar a recorrência de problemas cardíacos e foram acompanhadas pelos pesquisadores por no mínimo quatro anos.

O sexo dos pacientes e o tabagismo não influenciaram os resultados. Mas a idade, sim. Quanto mais velha a pessoa era, mais forte foi o efeito da aspirina.

Maiores de 65 anos que usavam o remédio tiveram um índice de morte por câncer 7% menor do que os que não tomavam, depois de 20 anos de acompanhamento.

                                                          EVIDÊNCIAS

O oncologista Paulo Hoff, diretor clínico do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, lembra que existiam evidências do efeito protetor da aspirina para tumores intestinais. A novidade é a influência do remédio sobre outros tipos de câncer.

"A aspirina reduz a incidência de pólipos no intestino, que são precursores dos tumores", afirma. O remédio quebra o ciclo de produção das prostaglandinas, substâncias que causam inflamações. Essa função da aspirina é a principal hipótese para explicar a redução na incidência de câncer.

No ano que vem, o Instituto do Câncer vai iniciar uma pesquisa para avaliar se o uso constante da aspirina evita o retorno do câncer em pacientes que já foram tratados por tumor de intestino.

                                                         DOSAGEM

O estudo não fixa a dose ideal diária de aspirina, mas mostra que os benefícios aparecem com quantidades pequenas do remédio.

Cerca de 20% dos 25 mil participantes do estudo tomavam 75 mg por dia. O comprimido infantil brasileiro tem 100 mg. Para pacientes cardíacos, as doses diárias recomendadas chegam a 300 mg. O comprimido normal tem 500 mg.

"Há efeitos colaterais. Se a dose for baixa, esse risco diminui", diz Hoff. Entre os problemas ligados ao uso da aspirina estão as úlceras estomacais e os sangramentos. Artur Katz, coordenador de oncologia clínica do Hospital Sírio Libanês, diz que a pesquisa junta dados de estudos que não tinham como objetivo medir a dose ideal do remédio para prevenir câncer e, por isso, outros trabalhos deverão ser feitos para aprofundar os resultados.

"O que fica claro é que não adianta tomar por um tempo e parar." Para o oncologista, o estudo é importante porque a eficácia da aspirina no caso de problemas cerebrovasculares já é comprovada e, agora, tem um "bônus" de reduzir a incidência de tumores. "O custo é muito menor do que outras medidas como exames de pesquisa de tumor. É uma droga simples, barata, que tem efeitos colaterais mas, na maior parte das pessoas, não traria maiores problemas."



CORRUPÇÃO NO BRASIL


Corrupção


Dados, levantamentos e análises sobre a corrupção no Brasil

A frequência dos escândalos e o aumento dos casos envolvendo o desvio de recursos públicos levaram 64% dos brasileiros a acreditar que a corrupção aumentou nos últimos três anos, ou seja, de cada 10 pessoas, seis acreditam que a corrupção cresceu. O índice mundial de percepção, no entanto, permaneceu inalterado na comparação com 2009.

O Brasil ocupa a 69ª posição no Ranking de Percepção da Corrupção da Transparência Internacional com uma pontuação de 3,7 em uma escala de zero a dez, em que dez indica que os servidores são percebidos pela população como pouco corruptos e zero corresponde à percepção de corrupção disseminada. Em 2009, o Brasil ocupava o 75º lugar entre 180 países no ranking.

Já a pesquisa Barômetro Global da Corrupção 2010, da Organização Transparência Brasil, os partidos políticos, o poder Legislativo e os policias (especialmente os estaduais) estão entre os mais corruptos.

Enquanto isso, as denúncias no poder público não param de surgir. Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), tramitavam nos tribunais federais, em 2010, 2804 ações de crimes de corrupção, improbidade administrativa e lavagem de dinheiro, enquanto nos estaduais, 10104.

Segundo a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), no ano passado, a corrupção teria causado a perda de recursos entre aproximadamente R$ 50,8 bilhões e R$ 84,5 bilhões. Considerando só o valor mínimo, seria suficiente a compra de 160 milhões de cestas básicas, ou a construção de 918 mil casas, ou ainda, 57 mil escolas.

AOS SERVIDORES PÚBLICOS.


                     Homenagem pelo dia do funcionário público



Servidores Públicos


Neste tempos de mercado ( lugar no qual se vendem homens entre outros objetos – Eduardo Galeano) , de neo-liberalismo feroz , de individualismo grotesco , que leva o homem à solidão , à angústia e ao desespero; de procura do sucesso a qualquer preço; de perda do sentido e procura de acumular coisas e virar escravos delas, morrendo de trabalhar. Neste tempo fugaz e feroz, de ferocidade e velocidade, de violência e medo, somos nós, funcionários públicos, afinal, vilões ou protagonistas da nossa história, da luta pela cidadania?

A grande mídia e a ideologia neo-liberal do Estado Mínimo (que necessita de seres humanos mínimos; mínimos na cultura, na educação, no lazer, na saúde, no Direito, na Liberdade) nos mostram como vilões, vagabundos que vivem nas tetas do Estado, mamando alucinadamente, sem trabalhar e sem produzir.

Mas, afinal , quem são os servidores públicos?

Os servidores públicos são os médicos que salvam vidas, que previnem doenças, que fazem os partos , que suportam no cotidiano a dor e o sofrimento humanos e os tentam amainar, convivendo com a morte e lutando diariamente contra ela.

São os bombeiros e funcionários da defesa civil que se arriscam diariamente, entrando em prédios em chamas ou em ruínas, enfrentando inundações e desabamentos, salvando pessoas nas estradas ou se afogando.

São os professores, estes proletários das letras, que se dedicam ao nobre ofício de legar o saber ao próximo, dividindo o pão da educação, e, como Cristo, fazendo o milagre de multiplicá-lo, pois muitas vezes seus discípulos ultrapassam em maravilhas seus mestres.

São petroleiros, trabalhadores de plataformas, prospectores de petróleo que fazem esta nação se movimentar.

São trabalhadores do setor de energia elétrica, que iluminam nossos lares trazendo conforto e bem-estar.

São funcionários da previdência, que com seu esforço e dedicação tornam possível que após décadas de trabalho, nossos aposentados e pensionistas possam sobreviver graças ao soldo que recebem.

São trabalhadores da segurança , policiais e soldados , que apesar de trabalharem na repressão por vezes, e neste momento não estarem do lado do povo, são , por outro lado, aqueles que preservam a segurança do país e o bem-estar do cidadão, coibindo a prática dos ilícitos e salvaguardando a sociedade.

São trabalhadores da cultura, funcionários de museus, bibliotecas, centros culturais, essenciais, porque não podemos e nem devemos viver só de pão.

Por fim, e esquecendo de citar uma série de outros servidores; sim, servidores, trabalhadores do povo, da nação brasileira, temos os operadores do Direito, magistrados, procuradores, funcionários do Judiciário e dos Órgãos de Justiça, que garantem a população o acesso a esta tão denegada justiça, neste sistema de distribuição de desigualdades chamado capitalismo. Parafraseando o texto antigo da OAB, sem servidor público não há Justiça, sem Justiça não há democracia.

Longe de sermos os vilões deste novo tempo, nós, funcionários públicos somos PROTAGONISTAS DO PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO REAL DA SOCIEDADE, PORTANTO, BASILARES PARA A SUSTENTAÇÃO DA DEMOCRACIA.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Os piores não são os que "roubam" o POVO , mas os que festejam com os ladrões !



Os piores não são os CORRUPTOS nem os DISSIMULADOS ; os piores não são os que SE LOCUPLETAM à custa do dinheiro público e vivem nababescamente ; os piores não são os que SE BENEFICIAM das fraudes licitatórias e das renúncias fiscais ; os piores não são os que PATROCINAM as campanhas eleitorais de maus políticos ; os piores não são os HIPÓCRITAS que iludem a população carente com o assistencialismo dos centros sociais e os bolsa-isso ou aquilo...ESSES NÓS CONHECEMOS...E sabemos que sua intenção é a de manter o "status quo".

Os piores são os que "bajulam" essa gente , fingindo não saber que os mesmos causam tanto prejuízo aos mais necessitados e que , por isso , fomentam a miséria ; os piores são alguns líderes comunitários que se beneficiam com essas migalhas ( verdadeiras esmolas ) recebidas em troca de apoio político-eleitoreiro ; os piores são os que "festejam " os maus políticos e os maus empresários , fingindo ignorar os males que estão ajudando a disseminar ; os piores são os que se sentem próximos do PODER e estão sendo usados como SERVIÇAIS dos que verdadeiramente o detêm . Tolos! Serão descartados como fósforos apagados assim que não servirem mais aos interesses escusos dos seus exploradores . Que dignidade tem essa gente?

Contra tudo isso , lutamos há muitos anos ; até hoje , não fomos bem sucedidos e , por vezes , nem compreendidos pelos que seriam beneficiados pelo sucesso de nossa causa ( que é deles acima de tudo) . Lutamos contra o descaso do Poder Público no que concerne à Saúde ; até hoje , contudo , não obtivemos sucesso . Lutamos contra o desrespeito às crianças e aos jovens carentes para que tenhamos uma EDUCAÇÂO UNIVERSAL E DE BOA QUALIDADE ; mas , a despeito de todo esforço , não atingimos nosso objetivo . Lutamos contra o descaso em relação aos servidores públicos , aos aposentados e aos pensionistas , mas não fomos ouvidos.

No entanto , não obstante todas essas derrotas que tivemos até agora nessas causas , preferimos continuar lutando a nos unirmos aos que nos têm vencido ou a nos calarmos no silêncio covarde dos omissos ou dos aproveitadores !

FRAUDE QUE ATINGE MILHÕES DE JOVENS BRASILEIROS ! QUE ABSURDO !

          

           Estudantes dizem que escola do CE antecipou questões do Enem


                      Apostilas foram distribuídas até 3 semanas antes da prova, segundo alunos.

                                   Diretor diz que examinará o material; MEC nega vazamento e aciona a PF.


Aluno mostra os livretos que teriam sido distribuídos por escola de Fortaleza. Material não possui logotipo

da instituição de ensino .


Um estudante de 18 anos postou no Facebook nesta terça-feira (25) fotos de cadernos de questões distribuídos pelo colégio Christus, de Fortaleza, antes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em que afirma conter pelo menos 11 questões idênticas às das provas do último fim de semana. Dois alunos do colégio também confirmaram ao G1 terem recebido o caderno com as questões idênticas às contidas na prova do Enem. O Ministério da Educação afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que "não houve vazamento da prova" e que acionou na manhã desta quarta-feira (26) a Polícia Federal para investigar o caso.

O jovem, que prefere não se identificar, disse ao G1 que recebeu o material de um colega que estuda no Christus, na sexta-feira (21), véspera do Enem. O material não possui logotipo ou alguma outra marca da instituição de ensino. Pelo menos dez questões presentes no material, inclusive com imagens e gráficos, são idênticas às aplicadas nas provas do Enem. “Não tive tempo de ver esse material antes da prova, mas quando saí do Enem vi alunos do Christus dizendo que havia questões idênticas no material”, conta.

Questões do Enem contidas na apostila distribuída a estudantes

Prova do Enem*Questão

Ciências Humanas (prova azul)20 - 36

Ciências da natureza (prova azul)49 - 50 - 56 70 - 87

Linguagens (prova amarela)113

Matemática (prova amarela)154 - 180

Questão similar (prova amarela)32

* Enem teve 4 versões de prova em cada diacom as mesmas questões com numerações diferentes

Na manhã desta quarta-feira, o diretor da escola, Davi Rocha, disse que ainda não examinou o material impresso com as questões semelhantes à prova do Enem. "Ainda não sei se esse material é realmente nosso, mas, se for, vamos esclarecer tudo."

Por volta de 12h15, em novo contato com o G1, Rocha afirmou que as questões batem com o banco de dados da escola de colaboradores da escola e estudantes. Muitos deles participaram de testes de nivelamento do Enem que o MEC aplica para estruturar a prova. Como são muita questões e muitos momentos acredita que os colaboradores podem ter repassado as questões para o banco de dados da escola. Segundo o diretor, os colaboradores pesquisam provas de vestibulares de todo o país, então seria possível que questões tenham conteúdo semelhante.

A assessoria do MEC diz que nenhuma escola pode se apoderar de questões aplicadas em pré-testes do Enem.

Sobre a impressão da apostila sem o logotipo da escola, o diretor não confirmou que o material tenha sido impresso pelo colégio. Fundada em 1951, o Christus é uma das escolas particulares mais tradicionais de Fortaleza e tem 10 unidades na capital cearense. Em seu site, a escola destaca que é primeiro lugar no Enem no Ceará juntando todas as suas unidades.

Em seu perfil no Facebook, a escola postou que ''uma instituição de ensino que tenha profundo conhecimento da TRI - Teoria da Resposta ao Item - e possua vasto banco de questões fornecidas por professores, por ex-alunos e pela conversão de questões do estilo clássico para o estilo Enem poderá ter boa margem de acertos nas avaliações do Enem''.

MEC aciona Polícia Federal

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Ministério da Educação afirmou ao G1: "O Ministério da Educação e o Inep (autarquia do MEC que organizou o Enem) continuaram acompanhando o tráfico de informação na rede social mesmo após a aplicação das provas. As informações veiculadas com maior intensidade nesta terça-feira por estudantes de Fortaleza dando conta de que estudantes do Colégio Christus teriam recebido apostilas com questões semelhantes à do exame nos obrigou a revisar todas as medidas de segurança da aplicação da prova de Fortaleza. Não há nenhum registro de problemas de logística, de que nenhum vazamento tenha saído da prova, a prova foi serena".

Ainda afirma o MEC: "Na manhã desta quarta-feira (26), o Ministério da Educação e o Inep, por volta de 7h, dado o grande movimento que circulou na rede social a partir dos estudantes de Fortaleza, acionou a Polícia Federal para investigar as origens da informações". Segundo o Inep, 639 estudantes do Colégio Christus fizeram a prova do Enem.

Ciências da Natureza - questão 87 da prova azul. Em destaque, a mesma questão é vista na apostila do Enem (Foto: Reprodução)

Dez questões idênticas

O estudante ouvido pelo G1 relatou que, depois de ouvir comentários na escola dele sobre a antecipação das questões, resolveu comparar com a prova do Enem. “Comprovei que no material do outro colégio [Christus] havia questões idênticas as das provas de matemática, ciências e linguagens”, afirma. Dizendo-se indignado, o candidato tirou fotos das questões iguais e postou na internet, o que gerou repercussão nas redes sociais.

Após receber cerca de mil comentários no Facebook, o estudante postou: "Gente, eu sei que é revoltante, é uma das provas mais importantes da nossa vida. Mas cuidado com as palavras, muito aluno do colégio recebeu isso e acertou as questões merecidamente. Vamos esperar também por um esclarecimento da escola antes de fazer julgamentos".

O G1 comparou as questões dos quatro livretos da escola com os cadernos Azul, da prova de ciências humanas e ciências da natureza, e Amarelo, da prova de linguagens e matemática, do Enem. Há pelo menos 10 questões iguais e uma similar nos materiais.

Na prova de ciências da natureza, foram detectadas 5 questões idênticas às dos livretos. Em matemática e ciências humanas, são 2 questões iguais em cada um dos testes. Na prova de linguagem, há 1 questão idêntica.

Matemática - questão 154 da prova amarela. Em destaque, a mesma questão na apostila do Enem (Foto: Reprodução)


'Surpresa'

Dois alunos do colégio Christus confirmaram ao G1 terem recebido o caderno com as questões idênticas às contidas na prova do Enem. Aluno do curso pré-vestibular, um estudante de 22 anos afirmou que recebeu material de revisão contendo "várias" questões iguais às do Enem duas semanas antes da prova.

"Levei um susto. Na hora, fiz as questões 'no automático', mas queria comprovar para não correr o risco de a resposta ser uma letra diferente do exercício". O estudante preferiu não se identificar por medo de represálias dos colegas que temem a anulação da prova.

Outra estudante, que também não quer se identificar, afirmou que todos os alunos da unidade Nunes Valente, da mesma escola, receberam quatro pequenos livros com 24 questões cada, divididos em ciências da natureza e humanas, linguagens e matemática.

"O professor nos recomendou fazer, dizendo que eram questões possíveis de cair no Enem e que não mostrasse à concorrência, porque enfim... Acho que nenhum colégio diria para mostrar seu material ao concorrente, né?", afirmou.

A jovem relatou que recebeu o material três semanas antes da prova, no início do período de revisão e que achou "estranho" quando percebeu que havia questões iguais às do exercício que recebera. "Fiquei surpresa quando vi, e feliz, claro". Para ela, as questões não eram difíceis, "mas já era garantido".

O Enem teve problemas de vazamento de provas em 2009 e de impressão em 2010, que obrigou alguns milhares de alunos a refazerem o exame.
 
DEPOIS DESSA , ACHO QUE O MALDITO ENEM MORRE ! TANTA INCOMPETÊNCIA ;
 
TANTO INTERESSE POLITIQUEIRO-ELEITORAL ; TANTOS DESATINOS QUE JÁ PASSARAM
 
DE TODOS OS LIMITES DE TOLERÂNCIA.
 
Isso é desmoralizante ! Coloca milhões de famílias no desesperero , no desalento e no desencanto. As Universidades devem cuidar de suas provas e o MEC deve tentar avaliar o desempenho do sistema educacional ; não tentar fazer vestibular unificado em todo o País -Continente.

FRAUDE NO ENEM 2011


                         Ministério Público do Ceará pedirá anulação do Enem 2011

Colégio é acusado de aplicar questões do exame antes da prova

O colégio e cursinho pré-vestibular Christus, um dos principais grupos educacionais do Ceará, é acusado nas redes sociais de ter distribuído aos seus alunos apostilas com questões idênticas ou muito parecidas com as do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) uma semana antes das provas. De acordo com relatos de estudantes, 14 questões são iguais ou muito parecidas com as do Enem.


Questão de química da apostila do colégio do Ceará

O Ministério Público do Ceará irá encaminhar uma recomendação ao Ministério da Educação (MEC) de anulação do Enem 2011. Após ser procurado na terça-feira por candidatos do exame, o procurador da República Oscar Costa Filho constatou irregularidade ao analisar o material e comprovar a existência de 13 questões idênticas às aplicadas no Enem. As questões com conteúdo antecipado, segundo o MPF, foram as seguintes: no 1º dia, prova amarela, nº 87,46,50,74,57,34,33,32 e 2º dia, prova amarela, 113,180, 141, 173 e 154.

Prova de Ciências da Natureza do Enem

Para o procurador da República Oscar Costa Filho, o problema de vazamento de provas se repete assim como nos anos anteriores. "É necessário que se imponha, de uma vez, a constitucionalidade no Enem, que significa o direito de recorrer em caso dos candidatos se sentirem prejudicados", explica o procurador em nota.

O MEC declarou que está monitorando as referências ao Enem nas redes sociais desde a realização do exame e, assim que apareceram as denúncias envolvendo o colégio Christus, revisou todas as medidas de segurança e não encontrou nenhum registro de que a prova tenha sido violada. No entanto, nesta quarta-feira, em função da grande repercussão do caso, acionou a Polícia Federal para investigar a origem e a procedência das informações.

O diretor do Christus, Davi Rocha, afirmou que a escola apura as denúncias e irá se pronunciar ainda nesta quarta-feira (26). Em entrevista ao iG, Rocha não negou nem confirmou a distribuição das apostilas, disse apenas que o banco de questões do colégio é “muito vasto”. “Soubemos disso ontem à noite e estamos examinando”, afirmou.

Segundo o iG apurou, alunos de outra grande escola de Fortaleza, a Farias Brito, souberam por meio de colegas do Christus sobre o suposto favorecimento e começaram a divulgar o assunto nas redes sociais. Jorge Cruz, diretor de uma das unidades do Colégio Farias Brito, disse que a instituição não tem relação com a denúncia. Segundo ele, a maioria de seus alunos que fizeram o exame estava satisfeita com o resultado que obteve. Mas os estudantes ficaram indignados quando souberam do suposto vazamento. "A gente viu isso por meio das redes socias. Nossos alunos se sentiram prejudicados, apesar de a maioria ter se saído muito bem. Não queríamos que a anulação", disse Cruz.

Em sua página na internet, o colégio Christus comemora ter obtido a nota mais alta no Enem 2010, considerando todas as sedes.



Pacificação ou Constrangimento dos moradores de bem ?

                              
                           
                        Alerta do Exército soa como toque de recolher



Carro de som esvazia ruas no Alemão, explica como os moradores devem agir em operação e avisa que ‘ação contrária será considerado ato hostil e receberá a resposta’

 Um jipe do Exército com alto-falante anunciando regras de comportamento à população durante operação causou tensão ontem à tarde na Pedra do Sapo, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. As mensagens soaram como espécie de toque de recolher e logo a maior parte das ruas ficou vazia.

Na gravação, uma voz grave orientava: “Senhores moradores, o Exército Brasileiro está realizando um mandado judicial em cumprimento da lei. Fechem suas portas e janelas e aguardem orientação. Quando solicitado, abra a porta e aja de maneira educada. Obedeça a todas as instruções. Qualquer ação contrária será considerada como ato hostil e receberá a resposta necessária”.

Militares femininas revistaram bolsas de mulheres que circulavam pela comunidade Pedra do Sapo, no Alemão, em busca de armas e drogas

Simultanemente, militares num helicóptero lançavam panfletos pedindo aos moradores que denunciassem bandidos, armas, drogas e explosivos. Na ação, dois fuzis, parte de metralhadora e drogas foram apreendidos.

Uma outra gravação pedia a colaboração da população e usava a seguinte frase: “As tropas da Força de Pacificação estão presentes nesta comunidade para proteger você e sua família”. A ação teve apoio de policiais militares do Batalhão de Campanha e de agentes da 22ª DP (Penha) para cumprir mandado de busca e apreensão genérico, que englobava a área da Pedra do Sapo.

O mandado foi expedido pela juíza Renata Palheiro Mendes de Almeida, no plantão judiciário do último domingo. Moradoras eram revistadas por militares femininas.

Alguns moradores das ruas Itajoá, Antônio Rêgo e Itacorá não alteraram a rotina. A poucos metros dos militares do Exército, sentada na calçada, alheia à movimentação, dona de casa bebia refrigerante.

Diretora da ONG Justiça Global, Sandra Carvalho disse que vai denunciar o caso ao Ministério Público Federal.

“É um exagero. Esse tipo de ação violenta os direitos humanos dos moradores e indica um olhar criminalizador que se tem contra as favelas”.



terça-feira, 25 de outubro de 2011

TRE JULGA CABRAL , PAES , LINDBERG , PEDRO PAULO E PICCIANI .



Cinco mangangões da política fluminense serão julgados amanhã pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE).

O governador Sérgio Cabral, o senador Lindbergh Farias, o prefeito Eduardo Paes, o chefe da Casa Civil da prefeitura, Pedro Paulo Carvalho, e o presidente estadual do PMDB, Jorge Picciani, serão julgados por abuso de poder econômico e político.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) pediu a cassação e a inegibilidade por oito anos do quinteto.

Segundo a ação, o grupo promoveu, em 15 de agosto do ano passado, um evento para divulgar suas candidaturas. À época, Picciani concorreu ao Senado e Pedro Paulo Carvalho a deputado federal.

O MPE acusa os cinco de doarem bandeiras, folhetos e alimentos aos presentes. A empresa responsável pela comilança seria a mesma que fornece comida para a Polícia Militar do Rio.

O grupo também é acusado de acionar empresas concessionárias de transporte público na capital para transportar o povo. Segundo o MPE, as empresas receberam R$ 300 para realizar a tarefa.( Extra , 25)







 

UTILIDADE PÚBLICA

Veja esta Celio e Divulgue.


Empregos no Pólo Petroquímico em Itaboraí

Pólo Petroquímico em Itaboraí A ONG ESPORTE VIDA em parceria com empresas, contrata para trabalhar na obra do Pólo Petroquímico para diversos cargos:

* 3000 Armadores

* 5000 Ajudantes de Obras 1º grau

* 2500 Soldadores (Mil-Mag., Navais, Eletrodos) 2º grau técnico

* 250 Técnicos de Segurança do Trabalho 2º grau técnico

* 900 Caldeireiros

* 50 Motoristas de Caminhão e Empilhadeira 2º grau

* 20 Tratoristas 2º grau

* 10 Engenheiros

* 10 Arquitetos

* 30 Estagiários de Arquitetura e Engenharia

* 50 Estagiários de Petróleo e Gás

* 20 Mecânicos 2º grau técnico

* 40 Auxiliares de Mecânico 2º grau

* 50 Mestres de Obras 2º grau

* 100 Pintores

* 500 Pedreiros

* 50 Eletricistas

* 100 Carpinteiros

* 20 Encanadores

* 20 Encarregados

* 10 Guincheiros

* 10 Administrador de Empresas

* 10 Agentes Administrativos 2º grau

* 10 Assistentes Administrativos 3º grau

* 10 Técnico Administrativo 2º grau

Enviar currículo para ong.esportevida@ig.com.br, informando no assunto do email o cargo pretendido. Ou ainda levar o currículo impresso diretamente na sede da ONG Esporte Vida, na Rua Cândido Benício, 1585 - Praça Seca - Jacarepaguá. Sábados de 10:00 às 14:00, colocando o cargo pretendido no currículo.

Atenciosamente,

Clecius de Oliveira

                      SALVE O DIA DO DENTISTA

No Brasil, o Dia Nacional do Cirurgião-Dentista foi estabelecido como 25 de outubro, quando se comemora a criação da primeira faculdade de odontologia (Medicina e Arte Dentária), na Bahia. Santa Apolônia, em cujo martírio sofreu fraturas de ossos faciais e de elementos dentais, é padroeira dos dentistas.


Aos profissionais que se dedicam à prevenção e ao tratamento das doenças ligadas aos dentes e às estruturas a eles ligadas a nossa admiração. Que Deus ilumine os seus passos em todos os dias! Em homenagem , imagens históricas dessa profissão .



 
 
                                          PARABÉNS AO PESSOAL DA ODONTOLOGIA !

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

FALTA ACONTECER MAIS ALGUMA COISA DE RUIM NA SEGURANÇA PÚBLICA DO RIO ?


Já vimos de tudo : falso coronel no Comando ; bandidos saindo pela porta da frente em presídios , festas de arromba dentro de presídios com direito a churrasco e tudo mais ,Comandante de Batalhão sendo mentor de assassinato de Juiza , Delegado de Polícia sendo frutado em seu Gabiente e outros absurdos . Agora , entra carregamento de cerveja em batalhão prisional . O que falta aocntecer de ruim ?
O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, disse na manhã desta segunda-feira, durante solenidade de assinatura da prorrogação da presença da Força de Pacificação do Exército no Alemão até julho de 2012, que foi informado na noite de domingo sobre a entrada de cerveja no Batalhão Especial Prisional (BEP).

De acordo com o secretário, as pessoas envolvidas já foram identificadas e presas. Sobre o soldado do Exército que teria participado da ocupação do Complexo do Alemão e que foi preso na Rocinha com uma arma de numeração raspada, Beltrame disse apenas que o caso está sendo investigado pela Inteligência da Secretaria de Segurança.


                                  Cervejas apreendidas no Batalhão Especial Prisional da Policia Militar


As autoridades deveriam ser processadas por HOMICÍDIO CULPOSO ...

                   Morre idosa que entrou na Justiça por vaga em CTI



A idosa de 75 anos que precisou recorrer à Justiça para conseguir uma vaga em um Centro de Terapia Intensiva morreu na manhã desta segunda-feira. Em mais um caso de peregrinação por hospitais, a pensionista Eda Nascimento teve dificuldade para conseguir o atendimento devido. Ela estava internada no Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, na Zona Sul. A informação foi confirmada pela Secretaria municipal de Saúde.

Após buscar tratamento em Mesquita, ela foi internada na Santa Casa, no Centro da cidade, mas os médicos informaram que ela precisava de um atendimento em outra unidade que tivesse um CTI. Segundo a família, o hospital tentou um leito na central de regulação, mas não obteve sucesso.

O parentes de Eda precisaram recorrer três vezes à Justiça para conseguir sua transferência para um hospital com CTI, mas a decisão só foi cumprida na manhã de domingo, quando ela foi transferida para o Miguel Couto. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, Eda tinha uma úlcera gátrica perfurada e passou por uma cirurgia de mais de 3 horas. Após a operação, ela deveria ser instalada em um CTI, mas como, novamente, não havia vagas na unidade, ela esperava na sala de ventilação da unidade

ATÉ QUANDO VAMOS CONTINUAR TOLERANDO ESSA INCAPACIDADE DE GESTÃO DA PREFEITURA E DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO ? Até quando nossos idosos vão morrer desamparados ? Em lugar de se gastar mais de R$ 1 bilhão para acabar ( implodir) com o Maracanã , por que não investir em leitos e no atendimento hospitalar no Rio ? MAIS UMA VIDA SE FOI ... E NENHUMA REAÇÃO POPULAR CONTRA ESSES ASSASSINOS QUE NADA FAZEM PELA SAÚDE DA POPULAÇÃO.

E-mails revelam que governo pediu cargo no banco PanAmericano


Em janeiro de 2010, semanas após a venda de parte do PanAmericano para a Caixa Econômica Federal, executivos do banco reclamaram de pedidos do PT para abrigar pessoas ligadas ao governo, informa o "Painel", editado por Renata Lo Prete, e publicado na Folha.

Em e-mail obtido pela Polícia Federal, o então presidente do banco, Rafael Palladino, relata lobby para contratar Demian Fiocca, o ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) . "O currículo dele é excelente, mas para ser presidente de empresas enormes, e não diretor do banco", reclama. ( Fonte : Folha)

Médicos da rede pública fazem paralisação e manifestações nesta terça.


Nesta terça-feira, 25, os médicos que atendem na rede pública em todo o país prometem realizar várias manifestações e paralisações para denunciar a baixa remuneração e as más condições de trabalho, que comprometem a qualidade da assistência oferecida à população.

Já está confirmada a suspensão do atendimento em 12 estados (Bahia, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rondônia, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Maranhão e Sergipe). Em outros quatro estados (Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo), estão previstas a realização de manifestações públicas em protesto contra a precariedade da rede pública. Inclusive, são esperadas paralisações localizadas em algumas regiões.

Nos estados em que se optou pela paralisação, serão suspensos os atendimentos eletivos (consultas, exames, cirurgias e outros procedimentos). No entanto, ficará assegurado o trabalho nas unidades de urgência e emergência. No início do mês, o Conselho Federal de Medicina determinou aos Conselhos Regionais (CRMs) o envio de correspondências aos gestores públicos (secretários de saúde e diretores técnicos e clínicos de estabelecimentos de saúde) com um alerta sobre o movimento.

O movimento, coordenado pela Comissão Pró-SUS, composta por representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Associação Médica Brasileira (AMB) e da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), quer chamar a atenção das autoridades e da população para os problemas que afetam o setor e que comprometem a qualidade do atendimento oferecido.( Fonte: Estadão)







domingo, 23 de outubro de 2011

O DESCASO COM A SAÚDE PÚBLICA NO RIO DE JANEIRO.



                 Carioca tem que esperar até 6 meses por consulta




   Prevenir males de saúde com especialistas é missão quase impossível nos postos

A prevenção e o diagnóstico precoce são os melhores remédios contra a maioria das doenças. Moradores do Rio que dependem da rede pública, no entanto, são obrigados a esperar meses para conseguir um médico. ‘Blitz do DIA’ percorreu 12 postos de saúde e policlínicas municipais nas zonas Oeste, Norte, Sul, e Centro e Tijuca, e a radiografia foi assustadora: consulta com cardiologista ou oftalmologista pode demorar até seis meses. Com ortopedista, quatro meses.

                                            Posto Milton Fontes Magarão,Engenho de Dentro


Na Políclínica José Paranhos Fontenelle, na Penha, paciente com problemas cardíacos descobre que para ser atendido pelo especialista precisa pegar senha para ser examinado por um clínico. “Após o clínico, dependendo da gravidade, a consulta com o cardiologista pode levar até seis meses”, diz um funcionário.

Em outro posto da Zona Norte, no Centro Municipal de Saúde Alice Tibiriça, em Irajá, a espera é de três meses após o encaminhamento feito pelo clínico.

No Centro Municipal Milton Fontes Magarão, no Engenho de Dentro, um cartaz informa que a marcação do clínico geral e do cardiologista está suspensa até novembro. “Estou com dor no peito e falta de ar. Fui na Clínica da Família, no Hospital Salgado Filho e não consegui o cardiologista. Aqui no posto também não tem. Vou ter que dar um jeito de pagar um particular”, lamentou a aposentada Irene Gonçalves, que mora do Engenho Novo.

Moradores da Zona Oeste sofrem com a falta de especialistas e longas filas por atendimento. No PAM de Bangu, é preciso esperar entre cinco e seis meses para conseguir consulta com o único oftalmologista. “Demora porque só temos um para atender todos os pacientes de Bangu, Campo Grande e Santa Cruz. É muita gente para um só”, revela uma funcionária, após explicar que, para ter acesso ao profissional, é preciso ainda ser atendido por um clínico que deve fazer o encaminhamento. Nos três bairros moram 1,338 milhão de pessoas, de acordo com Censo do IBGE de 2010.

             ESPECIALISTA ALERTA PARA RISCO DE MORTE DEVIDO À DEMORA

Diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Dikran Armaganijan alerta que a espera de até seis meses por um cardiologista pode levar à morte.

“A demora é um absurdo, é grave. Se o paciente já passou pelo clínico, que mandou para o cardiologista, é porque seguramente ja detectou alguma coisa. Paciente de alto risco não pode esperar seis meses porque pode morrer”, afirma. “Dependendo da patologia compromete vaso sanguíneo e pode causar angina, isquemia e até um derrame”, diz.

A longa espera por um oftalmo também pode gerar graves consequências, alerta o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto. “Dependendo do caso, há risco de perda de visão”, afirma.

Com a visão embaçada e os olhos ardendo,José Lemos, 46, tenta há seis meses uma consulta com oftalmologista. “É a quarta vez que acordo de madrugada e não consigo ser atendido porque o médico falta”, lamenta José, que enfrentou fila no Centro Municipal de Saúde (CMS) Milton Fontes Magarão, no Engenho de Dentro.

                            Município admite falta de especialistas

Subsecretário de Atenção primária do município, Daniel Soranz admite que a falta de ortopedistas e oftalmologistas é um problema na rede básica.

“Hoje, uma consulta com um oftalmologista demora de três a quatro meses. Não é o ideal, mas estamos melhorando. Em 2008 era de dois anos”, afirma.

Segundo Soranz, os postos — diferentemente das policlínicas — não têm obrigação de ter especialistas, mas têm que dar informações corretas. “Não é possível admitir que o funcionário despache o paciente. Tem que explicar onde encontrar o especialista”.

Soranz diz que a espera por cardiologista não é de seis meses e que a informação foi um erro do atendente. “A marcação é feita pelo clínico de acordo com classificação de risco. Dizer que são 6 meses é despachar o paciente”, diz.

                                       CÂMERA ESCONDIDA

Além da falta de especialistas, pacientes se deparam com informações precárias . Confira o diálogo entre repórter e funcionários do posto.

                                      NO SETOR DE MARCAÇÃO:

Repórter:Bom dia. Queria marcar um urologista

Atendente:Não tem

R:Você sabe onde tem?

A: Você tem encaminhamento? Tem que passar pelo clínico primeiro. Mesmo assim não está marcando clínico aqui.

R: Por quê?

A: Está lotado.

R: E ortopedista?

A: Não tem. Não tem em nenhum posto da região

                                  NA ADMINISTRAÇÃO:

R: Como faço para marcar um urologista?

A: Você tem que conseguir encaminhamento de um clínico. Você consegue até em uma UPA.

R: Tem urologista?

A: Não. Você vai marcar para outra unidade

R: Aqui perto?

A: Não, você pode cair em qualquer lugar do Rio. Até em Laranjeiras.

                               OS POSTOS VISTORIADOS
SANTA CRUZ

Policlínica Lincoln de Freitas Filho, na rua Álvaro Alberto, 601

BANGU

CMS Waldyr Franco, na Praça Cecília Pedro, 60

Policlínica Manoel Guilherme da Silveira Filho, na Avenida Ribeiro Dantas, 571

CAMPO GRANDE

CMS Belizário Penna, na rua Franklin nº 29

ENGENHO DE DENTRO

CMS Milton F. Magarão, Av. Amaro Cavalcanti, 1387

LINS DE VASCONCELOS

Posto Dr. Carlos Gentile de Mello, rua Bicuiba, 181

IRAJÁ

Posto Alice Toledo Tibiriça, na rua Juriti s/nº

PENHA

PAM José P. Fontenelle, rua Leopoldina Rego, 700

CENTRO

CMS Oswaldo Cruz, na Av. Henrique Valadares, 151

TIJUCA

CMS Heitor Beltrão, rua Desembargador Isidro, 144

COPACABANA

CMS João Barros Barreto, na rua Siqueira Campos

CATETE

CMS Manoel José Ferreira, rua Silveira Martins, 161.

A ACELERAÇÃO DA CORRUPÇÃO NO BRASIL.



                   De R$ 100 desviados por corrupção, governo federal só recupera R$ 2,34

Se a capacidade de liberar verbas por meio de convênios nunca foi tão grande quanto nos últimos oito anos, o governo federal está longe da mesma eficiência na recuperação do dinheiro desviado por maus gestores públicos e organizações não governamentais. Desde 2003, a União ajuizou ações para cobrar R$ 67,9 bilhões desviados ou mal empregados. A cada R$ 100 que escorreram pelo ralo da corrupção, conseguiu reaver, de 2003 a 2010, na Justiça R$ 2,34. Os dados são da Advocacia Geral da União (AGU), órgão responsável pelas ações de cobrança. Um desempenho medíocre, fruto da morosidade dos tribunais e da omissão dos ministérios na análise das prestações de contas de entidades, prefeituras e estados conveniados.

O grosso do dinheiro cobrado pela AGU é das chamadas transferências voluntárias, pactuadas por meio de convênios e instrumentos semelhantes. De lá para cá, sentenças judiciais garantiram devolução de R$ 1,5 bilhão, ou 2,34% do total. Desse montante, mais de 93% são de convênios. O caminho da recuperação é lento, a começar pelas providências elementares, a cargo dos órgãos federais responsáveis pela liberação.

Ao fim dos convênios, cabe a eles analisar as prestações de contas técnicas e financeiras das atividades bancadas com a verba pública, o que, não raro, leva anos. Só com elas é possível confirmar irregularidades e tentar reaver o dinheiro. Em 31 de dezembro do ano passado, a montanha sem apreciação do governo tinha 42.963 processos, cujos repasses somam R$ 18,2 bilhões, valor 9% maior que o apurado em 2009. O atraso médio na verificação era de seis anos e nove meses, aponta o Tribunal de Contas da União (TCU).

- Historicamente, a recuperação sempre foi um fiasco, um fracasso. Há um lapso de tempo grande até se descobrir o problema - constata o diretor substituto do Departamento de Patrimônio e Probidade da AGU, Tércio Issami Tokano.

Constatado o desvio, inicia-se uma via crucis burocrática. Cabe ao governo enviar ao responsável pelo convênio a cobrança administrativa - não paga, segundo a AGU, na quase totalidade dos casos. Se não houver sucesso, abre-se uma tomada de contas especial (TCE), processo formal para apurar o dano e as responsabilidades. Concluída pelo órgão responsável, a papelada é enviada à Controladoria Geral da União (CGU), que dá parecer sobre a regularidade da análise. Só então os documentos seguem para o TCU, que pode levar anos até julgar o caso e condenar o gestor à devolução da verba - a Lei Orgânica do tribunal prevê inúmeros recursos e prazos.

Se o débito não for quitado nessa fase, a decisão segue para abertura de ação pela AGU. O ressarcimento passa a depender do Judiciário.

- No meu gabinete, recebo TCEs de órgãos federais extintos na década de 1990. Estamos executando agora acórdãos aprovados pelo TCU entre 2004 e 2007 - comenta Issami.

Condenado pelo TCU em 2001 a devolver verba desviada do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP), o ex-senador Luiz Estevão (PMDB-DF) ainda não acertou suas contas e só ano passado decidiu tentar acordo com a AGU. O débito apurado pelo tribunal era de R$ 169,5 milhões, mas, diz o governo, acrescidos a atualização monetária, as multas e os juros de 1% ao mês, chega a R$ 900 milhões. Por ora, só R$ 54,9 milhões voltaram ao Tesouro, graças a uma decisão da Justiça Federal, que liberou montante obtido por bloqueio de pequenas movimentações das empresas de Estevão.

Por lei, ações para cobrança de desvios não prescrevem. Mas, com o tempo, os envolvidos acabam transferindo patrimônio para dificultar a execução.

- Ao fim, o que ocorre é que não há mais nada em nome do devedor a penhorar - diz o advogado da União.( O Globo)







Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/10/22/de-100-desviados-por-corrupcao-governo-federal-so-recupera-2-34-925636985.asp#ixzz1bbpq798G

© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.